Prisão de ventre: o que comer?

Só quando percebemos a causa de um problema conseguimos aplicar uma alimentação adequada.

A prisão de ventre ou obstipação é um problema bastante comum que se define como uma dificuldade nas idas à casa de banho. Antes de falarmos sobre o que comer para melhorar esta situação precisamos de perceber um pouco melhor sobre este problema. Só quando percebemos a causa de um problema conseguimos aplicar uma alimentação adequada. Ou seja, não podemos apenas ficar focados no que comer para a consequência.

A escala de Bristol ajuda-nos a ter um pouco mais de clareza sobre o nosso tipo de fezes e, assim, sobre a origem da sua prisão de ventre.

Escala de Bristol

escala de fezes de bristol

Tipo 1

As fezes do tipo 1 são em formato de bolinhas, quase como “caganitas de coelho”. Estas fezes são um alerta de que esta obstipação pode estar a ser causada por alguma reação alérgica ou de hipersensibilidade. Se tem este tipo de fezes vale a pena perceber se não tem alergias, ainda que não alimentares. Perceber, também, se na sua infância já tinha prisão de ventre. Se tinha asma em criança! Esses pontos são importantes para perceber este tipo de fezes e, consequentemente, a conduta alimentar necessária.

Tipo 2 e 3

As fezes do tipo 2 e 3 também são consideradas como fezes de obstipação (ou prisão de ventre). No entanto não associamos logo a questões de alergia ou hipersensibilidade. Na verdade, se o seu tipo de fezes se assemelha ao tipo 3 o mais provável é que apenas esteja a precisar de aumentar o seu consumo de água.

Tendo isto em conta, o que pode então comer para melhorar a sua prisão de ventre?

Se a sua prisão de ventre está associada a questões de alergia/hipersensibilidade precisamos de perceber a que alimentos pode estar ou não a reagir. Para isso podemos aplicar a dieta de eliminação, essa dieta tem de ser aplicada em contexto de consulta individual de forma a conseguirmos ter uma alimentação adequada, embora mais restrita, e, posteriormente, a conseguirmos fazer uma correta reintrodução. Dois componentes, no entanto, o que lhe posso já referir que precisa de remover se tem as fezes tipo 1 é o trigo e proteína de leite de vaca. Isso inclui remover todos os alimentos que os contenham.

Agora alguns alimentos que pode incluir caso tenha as fezes tipo 2 são os seguintes:

Alimentos digestivos

Kiwi, papaia, abacaxi e figo

Alimentos com efeito mais laxante

Manga, mamão, ameixa, laranja

Alimentos ricos em fibra:

Sementes de chia, linhaça, psyllium. Aqui em relação ao consumo de fibra deve ter cuidado, consumo exagerado de fibra vai ter um efeito negativo, ao invés de ajudar só irá prender mais. Se não costuma consumir estes alimentos é importante que os inclua em pequena quantidade e faça um aumento gradual ao longo do tempo consoante o que sente.

Alimentos fermentados:

Kefir, kombucha, chucrute… Estes alimentos contêm probióticos os quais vão ajudar na melhoria da sua microbiota intestinal e, como tal, do seu intestino.

Infusões que ajudam:

Cidreira, alecrim, hortelã-pimenta. Evite a infusão de camomila pois pode ter um efeito obstipante.

Caso a obstipação seja o seu subtipo de síndrome do intestino irritável alguns dos alimentos que eu coloquei acima devem ser evitados nomeadamente a manga, ameixa, figo e chucrute.

Além disto claro que é importante que garanta um bom aporte de água. E, claro que o ideal para resolver a sua obstipação será ter uma alimentação totalmente adaptada a si. Uma alimentação totalmente adaptada a si é aquela ou consideramos tudo o que sente, fazemos as relações da sua obstipação com tudo o resto e, ainda, verificamos as suas análises! Desta forma conseguimos não só resolver a sua obstipação, como também, melhorar a sua saúde como um todo, aumentando a sua energia, reduzindo as suas dores de cabeça, crises de sinusite, acne e muito mais, uma vez que tudo isto são sintomas que podem estar associados ao seu mau funcionamento intestinal.

Espero que este artigo tenha sido útil para si!

Caso queira um acompanhamento mais individual basta que entre em contacto para agendamento de consulta.

Gostou deste artigo? 

Deixe a sua opinião! 

Bem se Queira, sempre!

Drª Patrícia Costa